Fada dançarina

Livro infantil pode ajudar na construção de consciência crítica.

Marcello Scarrone

  • A Fada Inflada

    Luiza Leite e Tatiana Podlubny

    28 Páginas, R$ 29

    Editora 7Letras / Fada Inflada (selo independente)

     

    “Não havia trilha visível, nem caminho certeiro. Ninguém por ali dizia: ‘vai por aqui, vira acolá’. Não havia sinal, placa, farol, nem letreiro”. É num mundo deste tipo, no espaço sideral, onde até o silêncio “dançava ciranda”, que a pequena fada, “inflada” e “cheia” de tantas recomendações e preocupações e projetos e planos para o seu futuro, encontra-se um belo dia, flutuando pelos ares. E tudo muda, então: seus olhos, o pensamento, a maneira de encarar a vida, as cores da existência. Agora ela carrega consigo um segredo.

    A fábula, apresentada com graça e criatividade pelas autoras, por meio de rimas delicadas e desenhos sugestivos, fala ao coração e à imaginação dos pequenos e também dos adultos que lerem o livrinho junto com seus filhos, sobrinhos ou netos. Entre as tintas mais frias e angustiantes da primeira parte e as cores quentes e solares da segunda, situa-se a virada decisiva da protagonista da história, como um convite a leitores atentos – como são, geralmente, todas as crianças.

     

    Tatiana Podlubny / A Fada Inflada

    Atividade Proposta:

     

    Apresentar uma proposta de atividade didática a partir do livro A Fada Inflada adquire um caráter de desafio e ao mesmo tempo de paradoxo,  exatamente pela singularidade da mensagem veiculada por esta pequena obra. Afinal, um dos pontos altos do livrinho é o convite a desencadear nossas energias criativas e a descobrir em nós mesmos latentes capacidades de sentido, de força, de percepção. Um convite à liberdade, a um percurso de descoberta pessoal, longe de freios, advertências, correções, planejamentos.

    Tatiana Podlubny / A Fada Inflada

    Quando apresentada aos pequenos, principais destinatários do texto, o perigo é que o feitiço vire contra o feiticeiro, ou seja, que a experiente capacidade organizativa e planejadora do educador adulto acabe cortando as asas da fantasia e da imaginação dos alunos: “Tudo era explicado, tim-tim por tim-tim. A programação do dia-a-dia parecia não ter fim”.  A fada que está em cada um deles acabaria, dessa forma, cheia e inflada, sim, mas provavelmente não desprenderia voo, como na fábula, e só se arrastaria pesadamente pelas sendas de uma aprendizagem rotineira e enfadonha.  

    Cabe então ao educador aquele tanto de equilíbrio e de imaginação para simplesmente favorecer o encontro de seus alunos com o texto e suas sugestões. Partindo de suas cores, ou do traço usado para caracterizar as personagens, ou das rimas, grande instrumento expressivo nas mãos tanto de grandes como de pequenos. Liberar a fada que está neles, para que possa voar: pode se começar com uma pergunta, ou uma provocação, ou um desenho, ou uma rima particularmente apreciada, e tudo daí, então, pode nascer.

     

    Marcello Scarrone é pesquisador da Revista de História da Biblioteca Nacional e autor da tese "Nello, Libero e Giuseppe: do Rio contra Mussolini. Percursos políticos do Antifascismo Italiano na Capital Federal (1922-1945)" (UFRJ, 2013)

     

    Saiba Mais

    Blog da Fada Inflada

    Outras propostas didáticas

Compartilhe

Comentários (0)