É proibido fumar

O Brasil foi o primeiro país a proibir o consumo de maconha, ainda no século XIX. A história da criminalização desta e de outras drogas no Brasil é tema de mais um programa produzido pela rádio Audioativo, em parceria com a Revista de História

Alexandre Leitão, Fernanda Távora, Julia Araújo, Julia Meneses e Tais Carvalho

  •  

    "É proibido fumar”, já dizia, em 1964, a letra da música de Roberto e Erasmo Carlos. Da primeira lei de proibição da maconha no Brasil, em 1830, até os dias atuais, em que se debate a descriminalização das drogas, transcorreram quase duzentos anos. Nesse período, outras substâncias e compostos químicos passaram a ser classificadas como drogas ilegais, caso da própria maconha, mas também da cocaína, da heroína, da benzofetamina, do cloreto de etila, da lisergida (mais conhecida como LSD) e de inúmeras outras, consideradas pelo governo brasileiro como plantas, produtos e insumos químicos sujeitos ao controle da Polícia Federal. Mas que fatores foram importantes nesse processo?

    A história da criminalização das drogas é o assunto da mais nova edição do programa produzido em parceria entre a web rádio Áudio Ativo da Escola de Comunicação da UFRJ e a Revista de História. Para debater o assunto, convidamos:

    Thiago Rodrigues, professor do Departamento de Ciência Política da Universidade Federal Fluminense, atua nas áreas de relações internacionais, política internacional, narcotráfico e América Latina; Henrique Soares Carneiro, professor da Universidade de São Paulo, desenvolve pesquisas na área de História da Alimentação, das Bebidas e das Drogas; Orlando Zaccone, delegado da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro e doutor em Ciência Política pela Universidade Federal Fluminense, pesquisa política de segurança pública e Guerra às Drogas.

    Equipe:

    Produção: Alexandre Leitão, Fernanda Távora, Julia Araújo, Julia Meneses e Tais Carvalho.

    Locução: Julia Araujo, Julia Meneses, e Renato Furtado.

    Edição: Sergio Muniz.

    Coordenação Geral : Gabriel Collares.

Compartilhe

Comentários (2)