Reflexões sobre a violência

Livro de ex-fuzileiro compara torturas praticadas durante a ditadura civil-militar às realizadas por nazistas, na Segunda Guerra. O militar democrata conta que foi preso e revela nomes de seus algozes

Déborah Araujo

  • Mergulho no inferno, de E. P. Cavalcante / Editora APED / R$ 45,00Em seu mais recente livro, o militar aposentado Eunício Precílio Cavalcante conta a história de luta contra a extrema-direita que travou junto com alguns colegas, que teria começado antes da ditadura civil-militar. Em Mergulho no inferno, o ex-capitão-de-mar-e-guerra do Corpo de Fuzileiros Navais conta que foi preso e “torturado barbaramente”, além de revelar nomes de torturadores pouco conhecidos. “Militar democrata”, ele traça um paralelo entre as torturas havidas no Brasil e as praticadas por nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. Para dar corpo à obra, o autor, aos 82 anos, utilizou a própria memória como fonte e extensa bibliografia. Em entrevista para a Revista de História, Cavalcante fala sobre a importância de compartilhar suas histórias e reflexões com o grande público.

    Revista de História: O senhor fez parte do Corpo de Fuzileiros Navais na juventude. Como que acabou se engajando na luta contra a ditadura militar?

    Eunício Precílio Cavalcante: Nós, os militares subalternos, e mesmo alguns oficiais, já vínhamos lutando muito antes da ditadura. Nós sentíamos a ameaça do complô, que já se preparava desde o suicídio de Getúlio Vargas, em 1954. Eles [os altos oficiais da ultradireita] queriam de qualquer forma tirar o presidente do cargo, por conta de medidas nacionalistas, entre outras. O alto comando militar era praticamente todo golpista e antinacionalista. Não chegava a 1% os oficiais do alto comando que eram convictamente a favor do presidente. Isso desde o governo Vargas até a deposição de João Goulart. Eu chego a dizer no meu livro que o Brasil é talvez o único país do mundo em que a direita é antinacional. A direita argentina, francesa, inglesa, portuguesa, suíça, são todas nacionalistas, menos a brasileira.

    RH: O livro começa com o momento em que o senhor já está preso. Como foi sua prisão?

    EPC: Fui preso em São Paulo no dia 4 de novembro de 1969, no mesmo dia em que assassinaram Carlos Mariguella. Nós fomos presos pela manhã e depois fomos torturados. Eu fui torturado 15 dias depois porque mantive uma historinha. Todo resistente que está lutando na clandestinidade tem que manter uma história, e a minha história de que eu era vendedor de livros era coerente. Só que 15 dias depois caiu um companheiro em Ribeirão Preto, que disse que eu não era nada de inocente, que eu participava da ALN (Ação Libertadora Nacional) e que eu fornecia armas para ele. Era a minha palavra contra a dele. Nós dois fomos torturados barbaramente pela equipe do delegado Sérgio Fleury, agentes da Marinha, agentes do Cenimar (Centro de Informações da Marinha).

    Outras perspectivas sobre a ditadura:

    Quando um país se apequena

    Como perpeturar uma ditadura

    O sol sem peneira

    Mantendo o 'status quo'

    RH: Como foi, depois de tantos anos, trazer sua história a público?

    EPC: Eu e alguns companheiros já falávamos em escrever algo para que a juventude brasileira saiba o que aconteceu. Se subestima muito o papel dos militares democratas. Essa história não vem sendo levada à população. Um pequeno número de militares democratas foram os primeiros a lutar dentro dos quartéis tentando impedir o rolo compressor dos militares da ultradireita.

    RH: O livro traz temas como a tortura como instrumento de poder e a má formação dos oficiais militares no Brasil. Quais conjunturas permitiram esse quadro brasileiro?

    EPC: As nossas forças armadas atuavam no período da Guerra Fria como milícia de ocupação colonial, estavam submetidas ao Pentágono e aos Estados Unidos. O Brasil viveu 400 anos sob o domínio do latifúndio. E antes nós erámos colônia de uma colônia, Portugal, que era submetida à Inglaterra. Depois nós nos tornamos colônia da Inglaterra, e passamos a ser colônia dos Estados Unidos da América. Então, a partir da Guerra Fria, essa questão se acentua a cada dia.

    RH: Pensando essa questão nos dias atuais, o senhor acha que a militarização da polícia no Brasil também é fruto desse cenário?

    EPC: A polícia militar foi criada como milícia dos coronéis donos de terra. Cada presidente de estado (como eram chamados os governadores até 1930) tinha em sua mão um pequeno exército. A polícia de São Paulo, por exemplo, teve treinamento da Comissão francesa antes do Exército brasileiro. A polícia militar, como a de São Paulo e de Minas Gerais, foi muito importante no Golpe de 1964 porque os soldados do Exército não estavam preparados para briga. Quem estava era os policiais as milícias estaduais, que não são nem atuam como policiais porque não formados, não têm capacidade para atividades como investigação, entre outras coisas. E nem tão pouco são militares. Nas mãos dos presidentes estaduais, os policiais militares agiam como um contingente de jagunços fardados e armados. Depois da democratização do país, depois do fim desse período horrível que foi a Ditadura Militar, o cenário mudou. Hoje nós sabemos que a polícia militar não é algo bom, que é uma polícia meramente de repressão. Além de ser uma força de jagunços a serviço dos governadores, após o golpe a polícia militar se especializou em perseguir os chamados “comunistas”, que podiam ser os nacionalistas, democratas, entre outros.

Compartilhe

Comentários (0)